Entrevista a Dina Tavares

0

Nunca imaginei chegar ao patamar que cheguei e realizar o sonho que qualquer mulher idealiza: ter o corpo em forma. É um objectivo permanente, para levarmos a vida toda, se realmente gostamos.

Dina Tavares é natural da Ilha da Madeira e campeã regional em Bikini Fitness, tem 35 anos, é empregada de mesa de profissão e será uma das atletas que vai, pela primeira vez, disputar, no dia 27 de Abril, o primeiro lugar do Campeonato Nacional de Culturismo 2014.

GoSuper: Há quanto tempo praticas musculação?

Dina Tavares: Pratico musculação há 3 anos, mas frequento o ginásio há cerca de 5. Sempre gostei de educação física, na escola gostava de fazer atletismo, jogar futebol, mas nunca ponderei frequentar um ginásio. Fiquei surpreendida comigo própria quando comecei a treinar a sério e a gostar realmente daquilo. Agora quando não vou é estranho, falta-me qualquer coisa, fico rabugenta. É terapêutico, vamos para o ginásio e é o momento do dia em que te desligas dos problemas e cuidas de ti. É viciante e há sempre qualquer coisa a melhorar no nosso corpo. Comecei por fazer aulas em grupo, libertava-me o stress, conseguia descontrair, mas aquele abdominal vincado como eu queria não conseguia ter. Foi, então, aí que o meu marido influenciou-me a arriscar e a experimentar fazer musculação, pois só através desta prática poderia vir a atingir os resultados que tanto queria. Não estava muito receptiva porque pensava que ia ficar com um corpo muito musculado, como o de um homem, mas experiementei e comecei realmente a constatar que os resultados começavam, efectivamente, a aparecer. Sempre tive uma estrutura normal, mas tinha aquela barriguinha e algumas gorduras localizadas, foi definitivamente uma boa opção.

G.S: O que é que te alicia a entrar no Campeonato Nacional de Culturismo 2014?

D.T: O facto de pôr à prova o meu corpo. Testar os meus limites, provar que consigo superar-me e sair vitoriosa.

G.S: Como é que é passar a maior parte da vida “fora deste mundo” e agora fazer parte dele?

D.T: É engraçado, realmente. Nunca imaginei chegar ao patamar que cheguei e realizar o sonho que qualquer mulher idealiza: ter o corpo em forma. É um objectivo permanente, para levarmos a vida toda, se realmente gostamos.

G.S: O que dirias às mulheres para incentivá-las a praticar mais desporto e a frequentar as salas de musculação?

D.T: A mulher ao fazer fitness sente-se bem com ela própria, mas não vai ter os resultados que pretende, não vai conseguir tonificar o corpo como a maior parte quer. É difícil, mas é aliciante fazer musculação, porque a gordura que temos transforma-se em músculo. A partir dos 30 anos o corpo começa a sofrer sérias alterações, sendo o aparecimento da flacidez um dos casos, mas ao praticares musculação podes, pelo menos, assegurar que o teu corpo permaneça firme durante mais uns anos. No entanto, aquilo que importa é olhares-te ao espelho e gostares realmente daquilo que vês. Mesmo por uma questão de saúde é aconselhável fazer musculação. É anti-stress. Para além disso, ao levares uma vida mais sedentária e com o avanço da idade o risco de começar a aparecer problemas de saúde é maior. No meu caso, antes queixava-me imenso de dores nos joelhos e agora não.

G.S: Quais são os requisitos indespensáveis para entrar numa competição de Bikini Fitness?

D.T: O corpo tem de estar tonificado, mas com um aspecto físico feminino e não pode haver vestígios de celulite. Em Bikini Fitness concorremos ou na categoria “menos de 1,63cm” ou na de “mais de 1,63cm”. Tenho 1,65cm, portanto vou concorrer na segunda categoria.

G.S: Como vês o estado actual deste desporto em Portugal? Existe muita procura?

D.T: Existe cada vez mais procura, apesar de não haver muitos apoios neste sector. As pessoas aderem a esta modalidade por gosto embora, salvo raras excepções, tenham de suportar todos os custos, ou seja, viagens, estadias, alimentação e suplementação. É um investimento pessoal muito grande.

G.S: Tens alguma referência ou ídolo neste desporto que te sirva de inspiração?

D.T: Talvez o Phil Heath, atleta que ganhou o Mister Olympia 2013, mas a inspiração mais próxima que tenho é, sem dúvida, o meu marido. É um incentivo ter um companheiro de ginásio. Como o meu marido também é praticante, torna-se mais fácil levar isto a sério e andar sempre disciplinada, principalmente com a alimentação.

G.S: Em que consiste o teu programa de treino semanal?

D.T: Treino 4 vezes por semana e para cada sessão de treino gasto, em média, 1h30 do meu tempo. Mais do que isso é contraproducente porque o corpo não tem tempo para recuperar. Divido o corpo e treino em dias separados. Normalmente, faço pernas e bíceps, conjugo sempre um músculo mais pequeno com um músculo maior. Noutro dia faço dorsal, peito e ombros. Depois treino glúteos e tríceps e noutro dia dedico-me mais ao treino cardiovascular para ganhar resistência.

G.S: Qual é o grupo muscular que menos gostas de trabalhar?

D.T: Felizmente gosto de treinar o corpo todo. Normalmente as mulheres gostam menos de trabalhar a parte superior e gostam mais de se focar nos exercícios de pernas e glúteos. Eu, por acaso, gosto de tudo.

G.S: Costumas alterar o teu plano de treinos antes das competições?

D.T: Costumo treinar 4 vezes por semana, mas quando se aproxima uma competição (um mês antes) começo a fazer treinos bi-diários, sendo que o primeiro treino do dia é cardiovascular e realizado em jejum.

G.S: Em quantas competições já participaste?

D.T: Até agora só fiz parte de uma competição a nível regional da qual sai vencedora.

G.S: Tencionas, futuramente, entrar numa competição internacional?

D.T: Eu gostava. Este ano vi que uma colega minha foi ao Mr. Olympia e confesso que isso me despertou interesse. É uma hipótese a considerar. As búlguras, as húngaras são muito bonitas… nascem e já começam a treinar e a cuidar da alimentação, são culturas difierentes. Não sei se estou à altura, porque a concorrência é muito forte, mas quem sabe no futuro…

G.S: O que é que te motiva a treinar todos os dias?

D.T: O feedback das pessoas, dizem-me que pareço mais nova e perguntam-me o que é que eu fiz para ficar assim. É gostar daquilo que vejo ao espelho e sentir-me bem comigo própia, chegar ao ginásio e ver pessoas motivadas a treinar.

G.S: Que tipo de cuidados é preciso ter com a alimentação ao longo do ano?

D.T: A minha alimentação baseia-se, essencialmente, na ingestão de proteína e hidratos de carbono em quantidades moderadas. Embora nem sempre tenha sido assim. Não tinha noção das quantidades que ingeria por refeição, pensava que comia pouco, até começar a pesar os alimentos. Não tens noção das quantidades quando olhas para o prato. Colocas ¾ de arroz e pensas que ainda é pouco, mas na realidade são 300g de arroz e não há necessidade de consumires tantos hidratos de carbono. A reeducação alimentar é importante, é preciso encontrar um equilíbrio.
Posso dar um exemplo daquilo que ingiro nas refeições principais. Ao pequeno almoço costumo comer omolete, clara de ovo com arroz ou, então, opto por comer aveia com água, canela e mel. Na hora de almoço, como batata doce, salada, carne branca ou peixe. Ao lanche, opto pelo tomate em água com atum, ervas aromáticas e legumes: bróculos, beterraba, por exemplo. Para o jantar posso optar por comer batata doce salada ou legumes, carne branca ou peixe. Tudo isto custa mais quando vou jantar fora, em termos sociais, pois ou levo os tupperwares comigo ou acabo por ficar em casa. Parece mau, mas já estou habituada, pois sei que sem esforço não é possível alcançar os objectivos.

G.S: No chamado dia do lixo (cheat meal) quais são as loucuras que cometes?

D.T: Como tudo aquilo que eu adoro: guloseimas, pastéis de nata, gelados, pizza, fast food.

G.S: Utilizas algum tipo de suplementação?

D.T: Sim. A suplementação é importante porque os treinos que faço são muito intensos. Para acelerar o processo de recuperação costumo tomar proteína, glutamina, BCAAs e um multivitamínico, o Animal Pak, que é muito completo.

G.S: Qual é o aspecto mais difícil de ultrapassar quando estás em fase de preparação para uma competição?

D.T: O mais difícil é controlar a alimentação, pois fico privada de ingerir hidratos de carbono e o treino em si começa a ser mais desgastante.

G.S: Quais seriam as principais dicas que darias a um iniciante?

D.T: Se realmente queres ter um corpo tonificado, é um princípio começar a fazer, pelo menos 3 vezes por semana, musculação porque vais notar diferença a nível de resistência e força. Mantém-te motivado. Tem cuidado com a alimentação, faz treinos curtos, mas com intensidade e não te esqueças que o descanso, também, é importante.

Por Mafalda Ramos, Abril 2014.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here